domingo, 5 de maio de 2013

Introdução ao De Incarnatione Verbi Dei, de Santo Atanásio (ou: Sobre Livros Antigos) por C. S. Lewis

Introdução ao De Incarnatione Verbi Dei, de Santo Atanásio (ou: Sobre Livros Antigos) por C. S. Lewis

Há uma ideia estranha por aí segundo a qual os livros antigos devem ser lidos apenas por profissionais, e o leitor amador deve contentar-se com os livros modernos.

Clique no link abaixo para ler o artigo:
http://metodologiadoestudo.blogspot.com.br/2013/05/introducao-ao-de-incarnatione-verbi-dei.html

PEDAGOGIA DO CRIME - (desenvolvido por professores e pensadores marxistas)

PEDAGOGIA DO CRIME - (desenvolvido por professores e pensadores marxistas)

Clique no link abaixo para ler o artigo:
http://direito-penal.blogspot.com.br/2013/05/pedagogia-do-crime-desenvolvido-por.html

Marxismo: a máquina assassina por R. J. Rummel (professor emérito de ciência política e finalista de Prêmio Nobel da Paz, ...)

Marxismo: a máquina assassina por R. J. Rummel (professor emérito de ciência política e finalista de Prêmio Nobel da Paz, é o mais aclamado especialista mundial em democídio, termo que ele cunhou para se referir a assassinatos cometidos por governos.  Escreveu o livro Death by Government, leitura obrigatória para qualquer pessoa que queira se inteirar das atrocidades cometidas por governos.  Ao todo, Rummel já publicou 29 livros e recebeu numerosas condecorações por sua pesquisa.)

Clique abaixo para ler o artigo:
http://cienciapoliticaedireitoshumanos.blogspot.com.br/2013/05/marxismo-maquina-assassina-por-r-j.html

O mergulho no daime dos economistas do PT (...os economistas destas correntes mergulham na mais profunda maconha, ou, para serem ainda mais petistas, no chá do santo daime.)

O mergulho no daime dos economistas do PT
daimeAnteriormente, o governo petista, na pessoa do Sr. Lula, galhofeira e arrogantemente declarava à nação que sua fórmula era gastar mais, baixar os juros e contratar mais servidores públicos.

Agora, seus áulicos defendem com poses de sábios o aperto monetário, o aumento das taxas, e o mais contraditório, o desemprego. Está na hora de a população começar a se levar a sério.

Certo dia, se bem me recordo, fiz algumas considerações sobre as colunas publicadas no jornal cubano Granma. Impressionou-me a vagueza e a lassidão com que os seus autores discorriam sobre assuntos que dificilmente eu conseguia identificar e comparei-os àqueles devaneios que nos assombram o sono após uma beberagem das boas.
 

Pobres coitados! Não podem escrever nada de sério e importante em suas vidas tuteladas pelo regime comunista de seu país. Então, quando não recebem ordens de mentir descaradamente sobre algum fato, divagam a esmo, em prolixos parágrafos que têm por meta mais fazer-lhes passar o tempo do que informar alguma coisa. Eu poderia mesmo aventar se naqueles laivos literários não se ocultam pedidos desesperados de socorro.
 
Tal desculpa, porém, não resta à grossa parte dos economistas e jornalistas brasileiros, e aqui não estou a criticar os jovens semiletrados recentemente egressos destas fábricas de diploma de 3º grau, pois já seria de mim algo como uma sádica maldade.
 
Foi depois de ler um tanto de Ludwig von Mises que aprendi que ao fazer uso do termo “economista”, eu o fazia com especial deferência à donas de casa (!), mas excluía absolutamente os teóricos marxistas e keynesianos, e hoje digo, com que razão! Nas linhas seguintes, vou mostrar aos leitores como os economistas destas correntes mergulham na mais profunda maconha, ou, para serem ainda mais petistas, no chá do santo daime. Para tanto, recorro a um artigo que um dia, quem sabe, felizmente poderá ser usado como um estudo de caso dos nossos pastosos tempos: Inflação e Pleno Emprego, de Celso Ming, publicada no Estadão de 30 de abril (hoje), que li do blog Diplomatizzando, do amigo Dr. Paulo Roberto de Almeida, que muito felizmente, intitulou-o com o acréscimo de seus comentários: “Keynesianos já não entendem mais nada...
 
Comecemos:
 
Já havia na área econômica do governo Dilma Rousseff confusão entre objetivos estratégicos. Nunca havia ficado claro, por exemplo, o que é mais importante: se o crescimento da atividade econômica ou se o avanço do emprego. Imaginava-se vagamente que eram a mesma coisa.
Quando a expansão do PIB ficou travada, mesmo no ambiente de pleno emprego, o governo e seus economistas não conseguiram esconder a perplexidade: tiveram e seguem tendo dificuldades para explicar como as duas situações podem coexistir.

Confusão entre objetivos estratégicos? Será que algum dia houve algum, at all? Fosse por convicção, antes mesmo não houvesse! Para que alguém venha a propor alguma dicotomia teórica entre prosperidade e emprego, faz-se necessário antes demonstrar porque economias livres cresceram fabulosamente com fartura de empregos e ainda, com uma queda contínua dos preços.
 

Em uma economia livre, a poupança gera excedentes de capital que são investidos em mais produção, gerando solidamente empregos com salários cada vez maiores. Foi a receita básica da prosperidade norte-americana, isto é, pelo menos até o fim do séc. XIX, bem como a da recuperação europeia ocidental após a 2ª Guerra Mundial e dos países asiáticos apelidados de tigres. Portanto, isto nos leva a perguntar: Que poupança houve neste país nos últimos dez anos? Que investimentos foram feitos?
 
A verdade é que jamais houve, durante a gestão petista, algo que se possa ter por crescimento econômico; o que tem havido, sim, foi uma provisória ocupação da capacidade instalada para atender a um crescimento artificial da demanda. Esta, por sua vez, não pode ser debitada na conta da “geração de empregos”, pois os empregos que surgiram são provenientes majoritariamente do inchaço do serviço público, da multiplicação de ONG’s mantidas pelo erário e programas de transferência de renda, bem como de estímulos irresponsáveis ao crédito.
 
Se uma comparação mais ou menos acertada pode ser feita, imagine um sujeito que pensa ser possível conduzir seu veículo tão somente por meio do acionamento do seu motor de arranque. Tendo agido assim, até que deve ter conseguido provocar uns trancos para a frente, e o carro talvez tenha até andado mais um pouco, se estivesse numa descida, o que lhe faria comemorar seu feito perante seus amigos. Porém, bastaria encontrar um suave aclive para que o embalo perdesse o fôlego, e a bateria, que agora jaz exausta, não conseguisse mais nem acender uma lâmpada qualquer. É isto o que está acontecendo hoje com o Brasil.
 
Prossigamos:                                   
Outro desdobramento do mesmo tema é a relação entre pleno emprego e inflação. O ex-diretor do Banco Central Alexandre Schwartsman foi duramente atacado por excesso de ortodoxia quando advertiu, há dois meses, ser preciso segurar a oferta de emprego para conter a inflação.
Na semana passada, um economista comprometido de longa data com o desenvolvimento econômico, o professor da Fundação Getúlio Vargas Yoshiaki Nakano (foto), também avisou que o atual nível de inflação somente recuará se o governo aplicar à economia boa dose de desemprego.
Não são vozes isoladas. Tanto no Relatório de Inflação como nas atas do Copom, o Banco Central também vem advertindo para os efeitos inflacionários provocados pelo excessivo aquecimento do mercado de trabalho.

Se Alexandre Schwartsman está sendo acusado de ortodoxia por ter proferido uma enormidade como esta, então imaginem a suruba que rola quando estão todos de acordo! E o Dr. Yoshiaki Nakano(!), bem que poderia contribuir para amenizar os efeitos da crise, pedindo sua exoneração. Já seria um bom começo!
 

Reputo como canalha, no mínimo, a orgia com que o governo petista tratou os recursos públicos e induziu a população ao endividamento, para agora estes barbudinhos de carteirinha virem a público defender o desemprego, que certamente não será os das parasitas oficiais, mas de gente honesta e produtiva, que pega o ônibus às cinco da manhã para trabalhar pesado. (grifo deste blogueiro - economista Luis Cavalcante)
 
O governo petista não gerou empregos, nem promoveu o crescimento. Ele gastou, no sentido mesmo de desperdiçar, os recursos dos nossos impostos e do nosso futuro com empregos improdutivos e com o consumo inflacionário, uma vez que os milhares de aspones, com um salário no banco, passaram a competir com os cidadãos produtivos pelos mesmos produtos. (grifo deste blogueiro - economista Luis Cavalcante)
 
Aliás, a produção não somente não foi estimulada como pelo contrário, tem sofrido toda sorte de perseguições por parte do governo, com especial ênfase ao agronegócio. Assim bem entendido, compreende-se que o tomate não tem sido o vilão da inflação, mas pelo contrário, sua grande vítima.
 
Em frente:
Em princípio, inflação alta é fator que corrói o poder aquisitivo e, nessas condições, contribui para reduzir a demanda por bens e serviços. No entanto, como estão aumentando acima da inflação e da produtividade, fato para o qual também adverte o Banco Central, os salários contribuem decisivamente para a alta dos custos do setor produtivo e para o aumento da demanda por bens e serviços além da capacidade de oferta da economia.
A questão não se esgota aí e é mais complexa do que sugerem certos debates. Tanto Schwartsman como Nakano defendem elevação mais forte dos juros básicos do que a admitida pelo Banco Central. E eles não estão sozinhos. O diretor de Política Econômica do Banco Central, Carlos Hamilton Araújo, também advoga mais aperto monetário para enfrentar a inflação.
 
Incrível como ainda se compra barato esta confusão entre doença e febre. Certamente, porque esta mentira deslavada aproveita aos seus mistificadores. Preços em alta não são a inflação! Deixemos o tomate em paz! Os aumentos de preços são apenas a febre, isto é, a consequência da percepção pelos agentes econômicos do aumento da oferta de dinheiro na praça. A doença tem o nome de expansão monetária, que é o que o tão perdulário governo faz quando está tão ávido que não se contenta com os impostos e com o endividamento privado e se põe a injetar zeros a mais na conta do Tesouro.
 
Privatização dos juros já! As taxas de juros são importantíssimas para a correta informação dos investimentos do mercado. Quando os governos a baixam por decreto, estimulam a aplicação de recursos em investimentos de longo prazo que poderiam ser usados na produção de coisas mais urgentes, e quando o aumentam arbitrariamente, desestimulam a produção em qualquer grau em setores onde o processo de maturação não acompanha o retorno.
 
Em um mercado livre, quando João vem ao banco e pede dinheiro para plantar arroz, a instituição financeira o empresta sob uma determinada taxa de juros. Se depois vier José querendo também plantar arroz, o banco percebe o aumento de risco e aconselha José a plantar feijão, sob as mesmas taxas, ou ainda arroz, mas desta feita, sob uma taxa maior. Em uma economia livre, os juros servem para evitar e cobrir riscos e incentivar o investimento nas áreas que a população considera mais importantes em ordem de urgência, e não segundo o que o governo anuncia que deve comprar. Em uma economia livre, os juros não podem ser maiores do que o retorno dos investimentos, pela única razão de que precisam ser viáveis.
 
Falta pouco:
 
O diagnóstico é de que o volume de dinheiro no mercado (aquele que impõe o preço, em juros básicos, de 7,5% ao ano) está elevado demais para o conjunto dos problemas enfrentados pela economia: demanda mais alta do que a oferta; custos altos demais do setor produtivo, a começar pelos do fator trabalho; baixa propensão ao investimento; e, muito especialmente, a gastança do setor público, que cria renda e demanda.
O núcleo da administração econômica do governo Dilma prefere fechar os olhos à natureza monetária da inflação, sobretudo a causada pelas excessivas despesas públicas. Ontem, por exemplo, em entrevista ao jornal Valor, o secretário do Tesouro, Arno Augustin, anunciou que o governo já não assume nenhuma meta de austeridade fiscal. As despesas públicas serão aquelas que forem necessárias para garantir o crescimento econômico forte, disse ele. Para definição do volume de estímulos fiscais, Augustin não julga necessário levar em conta o nível do emprego da economia. E essa desconsideração pode sair cara para o governo.
 
Se houve o inchaço monetário, longe está do conserto um aperto monetário. Como bem sugeriu Ludwig von Mises, de que adianta dar marcha a ré após ter atropelado alguém?
Se levarmos a sério tamanha absurdidade de que os salários do trabalhador brasileiro, ainda inclusos seus encargos, tornam inviável a nossa economia, deveríamos então constatar o colapso dos países desenvolvidos, onde os proventos são muito maiores. Na verdade, os salários não estão altos. O que acontece é que tem gente demais ganhando salário sem produzir: aspones petistas; mais de cinco mil municípios, e aumentando; servidores públicos em excesso para órgãos que não servem para nada; milhares de ONG’s que por definição deveriam andar com as próprias pernas; programas de transferência de renda, sendo alguns existentes para até mesmo incentivar os indivíduos a não trabalhar, como o PGPM-BIO; benefícios previdenciários bizarros, como o auxílio-reclusão, e até mesmo empregos privados tornados obrigatórios por lei.
 
Como se pode verificar, os últimos parágrafos mostram que os barbudinhos de carteirinha e estrela vermelha na lapela tentam acertar, mas tropeçam em suas próprias incúrias, profundamente arraigadas. A quem ainda convencem? A você, caro leitor?
 
 
 
Divulgação: 
 

Odioso preconceito - (“A mais odiosa forma de preconceito moral está na historiografia que condena em voz alta os crimes e perseguições de um lado, e esconde ou defende os do outro.”)

Odioso preconceito - (“A mais odiosa forma de preconceito moral está na historiografia que condena em voz alta os crimes e perseguições de um lado, e esconde ou defende os do outro.”)

http://historiareformacional.blogspot.com.br/2013/05/odioso-preconceito-mais-odiosa-forma-de.html